quarta-feira, março 02, 2011

A criança de hoje e a educação de ontem

    O número de pais que procuram consultórios de psicologia ou mesmo livros que  discorrem sobre a educação dos filhos tem se tornado bastante expressivo.  Além disso, não é raro encontrar professores queixando-se do comportamento  de seus alunos e da dificuldade de conseguir a atenção deles. Os saudosistas  costumam dizer que bons eram os tempos antigos, pois o professor era  valorizado e respeitado. Parece que, de repente, sem que ninguém percebesse  o momento do acontecimento, educar ficou bem mais difícil tanto para pais  quanto para professores.  
    A questão é que mudanças ocorreram no contexto de desenvolvimento das  crianças e não aconteceram de uma hora para outra. Assim, o interesse das  crianças foi se diferenciando juntamente com a mudança social geral. Pode-se  dizer que essas mudanças englobam as facilidades proporcionadas pelo  computador e principalmente pela Internet, o acesso constante à televisão, a  revolução dos jogos eletrônicos, além das necessidades econômicas que  obrigam os pais a trabalhar fora, diminuindo o tempo de atenção aos filhos.  Apesar disso, o paradigma de educação de pais e professores permaneceu o  mesmo, evidenciando um descompasso entre educador e educado.     
    Nesse sentido, o psiquiatra e diretor da Academia de Inteligência Augusto  Cury, argumenta em seu livro Pais brilhantes, professores fascinantes  que a educação passa por uma crise sem precedentes na História. Os alunos  estão alienados, não se concentram, não têm prazer em aprender e são  ansiosos. Cury sugere que os culpados disso não são nem pais nem  professores, mas as causas principais são frutos do sistema social que  estimulou de maneira assustadora os fenômenos que constroem os pensamentos.  
    Desta maneira, este autor fala que, atualmente, as crianças, adolescentes e  até adultos são acometidos pela  Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA).  Esta Síndrome, para Cury, é grande geradora de ansiedade e causa  dependência constante de novos estímulos e em maior quantidade.  Em função do excesso de estímulo recebido, principalmente da televisão, a qualidade e a  velocidade do pensamento muda, causando a SPA.    
    Então, como alerta Augusto Cury, uma vez que a televisão mostra mais de  sessenta personagens por hora com as mais diferentes características de  personalidade, policiais irreverentes, bandidos destemidos, pessoas  divertidas, essas imagens são registradas na memória e competem com a imagem  dos pais e professores. O resultado é que os educadores perdem a capacidade  de influenciar o mundo psíquico dos jovens, causando esse descompasso na  educação.     
    É preciso que um novo modelo de educação seja criado de modo que atinja os  jovens de pensamento acelerado e ansiedade exagerada. É notório que o antigo  modelo não funciona mais, visto que a velocidade de pensamento dos jovens de  hoje é bem maior que dos de ontem. É preciso que pais e educadores sejam  criativos e inovadores, lançando novas propostas de educação compatíveis com  o novo contexto desenvolvimentista.     


Artigo baseado no livro Pais brilhantes, professores  fascinantes, de Augusto Cury, lançado pela editora Sextante em  2003 

Nenhum comentário: