sábado, janeiro 09, 2016

Soft Skills


Soft skills, até pouco tempo ignoradas, viraram uma verdadeira modinha no mundo corporativo nos últimos anos. Muito se fala na importância das soft skills e em como desenvolvê-las, o que é um grande desafio, já que primeiro devemos identificar o que elas são.

Idiotices como pesquisas sobre melhores empresas para se trabalhar ganharam muita força ultimamente, dando aos horses a ilusão de que seus empregadores possuem algum dever junto à peonada no que diz respeito a bem estar e condições de trabalho. Dentre os critérios que tais pesquisas inúteis utilizam para qualificar uma empresa como boa ou ruim para se trabalhar está a tal da “meritocracia”, ou “promoção por mérito”. De repente, a peonada começou a se insurgir contra uma das mais antigas práticas Go Horse: a promoção baseada na amizade e confiança.

O horse deve ter em mente que chefe não é pai e promove quem bem entender. Além disso, uma promoção para um cargo de natureza gerencial exclui o promovido do ciclo produtivo, o que faz da promoção por mérito uma grande inconveniência.

Tendo em vista o fato de que as atividades de um gerente se assemelham muito ao trabalho de verdade, porém totalmente alheias à construção do bem ou serviço vendido pela organização, promoções para cargos gerenciais passaram a ser justificados pelas tais “soft skills”. Ou seja, se algum peão ousar contestar uma promoção de alguém que não demonstra, segundo seu julgamento, a qualificação necessária, basta respondê-lo que tal promoção se deu em virtude de soft skills que o recém promovido detém.

Uma soft skill é uma competência ou característica pessoal atrelada à personalidade e que, ao contrário das competências técnicas, não demanda esforço por parte da pessoa que deseja desenvolvê-la. A avaliação de uma soft skill de alguém é vaga e subjetiva, o que torna extremamente fácil a um chefe goHorser justificar a promoção de um amigo incompetente.

Ou seja, soft skills são uma criação de membros goHorsers do Círculo de Confiança que tem como objetivo viabilizar uma fácil justificativa para uma inclusão repentina de um amigo às altas rodas da empresa.

Tal criação se mostrou tão eficiente na obtenção do seu objetivo que, em muitas empresas, ser competente tecnicamente depõe contra o horse. Isso significa que, se desejamos manter um horse competente eternamente na condição de peão, basta rotulá-lo como alguém “essencialmente técnico e sem soft skills”. Hoje é muito comum o fato de horses omitirem suas qualificações técnicas para manterem vivas as suas chances de ascender ao Círculo de Confiança.

Conheça algumas Soft Skills:

Nome Técnico: Sociabilidade
Significado: Vaselina
O que é: capacidade de dar tapinhas nas costas e sorrir para colegas escrotos e sem escrúpulos de quem se possa vir a precisar algum dia.

Nome Técnico: Capacidade de Persuasão
Significado: Manipulação de Otários
O que é: não importa o quão estúpida seja uma ideia, dependendo da convicção com a qual a defendemos, podemos convencer os otários a segui-las.

Nome Técnico: Liderança
Significado: Cenoura na frente do burro
O que é: ninguém faz nada sem receber algo em troca, e são vistos como líderes aqueles que ganham o apoio da massa ludibriando-a com promessas vazias.

O advento das soft skills trouxe a nós, goHorsers, um efeito colateral positivo: tem muito horse que quer crescer através do desenvolvimento desse tipo de competência, ignorando o fato de que as soft skills são usadas para justificar uma promoção DEPOIS que a mesma ocorre, e não antes. Isso gerou um vasto mercado a se explorar: cursos e treinamentos de comunicação, negociação, técnicas de apresentação e outras inutilidades.

Nenhum comentário: